Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

E quando vem a paixão?

por *Márcia S.*, em 14.05.18

Já me tinha apaixonado antes, coisa de adolescente. Não tão bom como agora, como hoje. Na adolescência vinha mais o frio na barriga e o sonhar alto. Agora... Agora trouxe alguém para perto de mim que fez expandir essa paixão para um amor verdadeiro, para um amor que não sabia que seria capaz de existir. Onde existe paixão mas não só, onde existe amor e pés assentes no chão. E sonhamos, continuo a sonhar mas desta vez não sozinha. Sonho em conjunto, sonho mais alto, com algo mais real. Algo que se pode concretizar e ao mesmo tempo nos faz felizes só de imaginar no amanhã. 

A paixão veio mas não sozinha. Trouxe com ela um amor que nunca pensei ser possível existir para mim. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Haverá algo mais importante?

por *Márcia S.*, em 07.05.18

Nós últimos dias fui-me apercebendo de que há coisas cruciais na minha vida, na nossa vida, que valem mais que tudo na vida. Penso ter chegado a um ponto da minha vida pessoal em que estou no meu auge de felicidade. A nível pessoal, em 25 anos, não me recordo de ter estado tão feliz como hoje. A par de estar super feliz faço por lutar todos os dias por ver quem mais amo com um sorriso no rosto. Não me chega eu estar feliz se quem me rodeia estiver em um mau momento. Não me chega estar feliz se não tiver com quem a partilhar dia após dia!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem fui e o que sou

por *Márcia S.*, em 25.04.18

Quando me comparo com o que fui no meu passado revejo alguns pontos que se mantiveram até hoje (mesmo que pouco alterados) e também alguns pontos que deixaram de existir por completo. Se no passado eu engolia tudo o que ouvia, agora não sou capaz de ouvir e calar sempre que me sinto menos mal com o que vou ouvindo. Hoje consigo engolir o que vou ouvindo, mas com filtros que não existiam antes. Filtros que me fizeram ganhar limites, filtros que me fizeram não aceitar tudo o que me rodeia e nem "ouvir e calar". Nunca, no oassado, imaginei que um dia fosse conseguir chegar a esse ponto.

Deixava-me atingir por tudo o que me diziam. Deixava que me fizessem tudo o que queriam fazer, mesmo sabendo que me estava a destruir a mim mesma. Nunca fui contra isso que foi acontecendo. E a culpa era apenas minha por permitir tal coisa. 

Hoje sou capaz de permitir no caso de sentir que nada altera a pessoa que sou. Que nada altera tudo o que acredito ser e tudo o que conquistei. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

E se... O melhor amigo virar namorado?

por *Márcia S.*, em 24.03.18

Sempre disse que estava e estaria bem sozinha, e na realidade estava extremamente feliz. Muito feliz por sinal, mas a minha vida resumia-se a casa-trabalho e trabalho-casa. Eu vivia para o trabalho e não me sentia mal com isso. Até certo ponto fazia-me sentir viva... Achava eu! Até que ponto conseguimos ser "inocentes"? Até que ponto conseguimos ter umas palas que nos faz ver apenas um sentido na vida? Nunca pensei desta forma na altura, até porque não havia motivos para tal.
Mas, como sempre, faltava-me algo. Faltava-me algo para conseguir dizer "eu estou 100% completa". Não sabia o quê mas não era algo que me preocupasse muito a sério. Um dia, com o seu jeito fechado natural nele, disse-me algo que me fez pensar "ele é o tal e é quem me falta na minha vida para me sentir completa!". Aos poucos fomos ficando inseparáveis. Sem nos apercebermos ao longo de 10 anos de amizade, ou pelo menos sem eu me aperceber, o nosso sentimento e a nossa ligação cresceram de uma forma tão natural e ao mesmo tempo tão inexplicável que podemos afirmar ser a parte que faltava na vida um do outro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Exigir de mim mesma

por *Márcia S.*, em 09.03.18

Há muitos anos atrás, eu sabia que não exigia nada de mim mesma. Porque não tinha motivação para tal, porque talvez não tivesse força de vontade para tal, porque ninguém puxava por mim ou tentava exigir algo a mais de mim, ou até mesmo porque não me apetecia ser exigente comigo mesma. Ao longo dos anos fui percebendo que exigiam algo de mim e eu chegava nas expectativas mínimas das pessoas, não as ultrapassava nunca. Porque a minha exigência para comigo era nula. Era como se tudo que me rodeava, todas as pessoas e o mundo em geral, não fossem interessantes o suficiente para mim para que eu quisesse exigir algo mais de mim para as surpreender. Fui assim até tarde de mais. Houveram raros momentos em que exigi algo de mim, por competição ou por alguma frustração momentânea da adolescência que me tivesse feito agir de alguma forma diferente da "normal". 

A certa altura, há poucos anos atrás, comecei a exigir de mim o que nunca tinha exigido antes. Não me recordo ao certo o que me fez acordar este meu lado que nem eu conhecia. Nunca, em momento algum, eu imaginei que teria algures escondido em mim esta agressividade toda em exigir de mim tudo o que nunca exigi antes. E digo agressividade precisamente por me ter tornado extremamente exigente em quase tudo na minha vida. Ao ponto de saber que o meu corpo não iria aguentar tanto sacrifício e mesmo assim avançar com os meus planos. A certa altura, eu comecei a ser mais reconhecida no que fazia. A certa altura a minha presença começava a ser notada devido a essa exigência que teria comigo mesma nas coisas a que me propunha a realizar. 

A certa altura, eu achei que a exigência que tinha comigo mesma não era suficiente. Achei que já tinha chegado ao meu objectivo, que já conseguia funcionar bem como estava e foi aí que decidi exigir mais. Atingir uns patamares um pouquinho acima dos que já tinha alcançado. Não digo que estou a fazer bem a mim mesma, longe disso! Tem os seus prós e contras, como tudo na vida. Mas se me sinto realizada? Posso dizer com 90% de certeza que sim. 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens