Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As mulheres

por *Márcia S.*, em 27.01.16

Quando ouço alguém falar de "mulheres", a primeira coisa mais "normal" de dizerem é "complicadas". Pessoalmente, e até certo ponto, concordo que é uma realidade! Sem dúvida que somos complicadas, lidamos com 1001 coisas que os homens não precisam de lidar. Então, penso que até certo ponto é "normal" sermos um tanto complicadas.

Segundo comentários que ouvi recentemente sobre as mulheres, os homens deveriam ter cuidado com as mulheres porque são muito calculistas e conseguem quase tudo deles. Segundo ela (isto foi dito por uma mulher), porque usamos a nossa cabeça de forma muito melhor do que eles. Pessoalmente, talvez seja verdade e uma realidade para muitas mulheres. No entanto, não creio que seja a realidade de nós todas, até porque nem todas querem "atormentar" a vida dos homens!

Autoria e outros dados (tags, etc)

A confiança nas mulheres

por *Márcia S.*, em 12.09.15

Há quem diga que as mulheres com muita confiança e alta auto-estima se cuidam mais que as outras. Há quem diga que as mulheres que não se arranjam tanto não podem ter uma grande auto-estima e não conseguem gostar de si próprias. Por outro lado ainda dizem que as mulheres se produzem todas para agradar a um homem (ou vários). Não sei o que vai na cabeça das outras mulheres mas, falando por mim, eu não sou assim. Já me maquilhei quando estava muito bem e quando estava muito mal, já deixei de o fazer quando estava muito bem e muito mal, só porque não me apetecia ou achava perda de tempo. Nunca fiz isso, com o sentido de agradar a ninguém sem ser eu mesma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Deixei-o ir

por *Márcia S.*, em 30.08.15

Há alturas que percebemos que nada é realmente nosso. Muito menos as pessoas. Sempre entreguei demasiado de mim a pessoas que naquela altura me parecia ser aquela pessoa. Mas, com o tempo, percebi que não posso afirmar que a pessoa seja "minha", porque na realidade não é. Nem tudo o que é bom acaba de pressa, nem toda a gente foge. Uns adaptam-se melhor, outros fartam-se, mudam de ideias, encontram alguém melhor ou simplesmente não faz mais sentido continuar aquela história. É aí que a verdadeira história começa. Sim, porque o "fim" não é mais do que um novo começo. Um novo começo que depende de nós, e só mesmo de nós, porque ninguém é obrigado a deixar alguém se infiltrar.

Por momentos dá vontade de gritar, lutar mais. Mas há alturas em que uma pessoa sabe quando não vale a pena lutar. Porque a pessoa não está nem aí, porque aceitamos que a pessoa se vá embora, porque para nós também já não fazia sentido continuar a tentar fazer história do que nunca fez parte dela.

Por vezes o momento certo demora a chegar, o tempo vai passando e começamos a perder demasiado tempo com alguém que só se quer aproveitar do que podemos dar em troca. Quando a oportunidade surge, o melhor é deixar partir, sem reclamar, sem fitas e até palavras. O silêncio é tão nosso amigo e nem sempre o usamos.

Deixei-o partir, não por eu querer, mas porque o destino assim o queria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sou tão estranha!

por *Márcia S.*, em 20.08.15

Sou tão estranha que até me irrito a mim mesma. Acabo por ser o oposto de quase todos os da minha idade. Pior que isso? Acho completamente normal e adoro a minha diferença (não sou mesmo normal ). Prefiro falar com pessoas que a maioria torce o nariz, acho normal (porque até que entendo) os comportamentos de algumas pessoas que a maioria acha surreais. Não gosto das coisas que o pessoal adora, não aprecio a maioria das coisas que as miúdas adoram e sinto-me estranha se tiver de falar delas. Há assuntos que não domino de todo porque não sou assim tão "culta" nesses temas, mas que arranjo maneira de os abordar e algumas pessoas ficam a pensar que eu sou alguma nerd que sei de tudo (enganam-se, eu acabo por divagar completamente, por vezes digo a mesma coisa de 1001 formas diferente e com palavras distintas e elas nem se apercebem ou fazem-se de burras). Gosto de coisas que a maioria diz que são chatas (por exemplo ler, a maioria acha uma coisa demasiado chata), dou preferência a estar em casa do que ir sair só porque sim. Gosto de sair quando me apetece, quando preciso e quando estou para aí virada. Dou preferência a ir ao cinema ou conversar com alguém do que ir fazer uma noitada (até porque detesto noitadas, julguem-me à vontade). Não aguento ver ninguém a sofrer por algo que alguém lhe fez, mesmo que se trate de um "inimigo" meu. Ninguém me entende quando o digo porque, supostamente, se é um inimigo até devia ficar contente por a pessoa ficar mal. No dia que ficar contente com a tristeza dos outros, mesmo que seja um inimigo, vou sentir remorsos até ao fim da vida. É claro que por vezes penso "anda lá que agora vez o que é bom para a tosse", mas o que é de mais enjoa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gostava de fazer mais...

por *Márcia S.*, em 15.08.15

Há coisas que gostava de fazer mais mas não as faço, seja por preguiça, por falta de tempo ou outro qualquer motivo. Acabo por arranjar sempre uma desculpa para não fazer, mesmo que goste muito ou só um bocadinho. Por exemplo, pintar as unhas. Já usei unhas de gel, mas as minhas unhas são fraquinhas e se as usar ainda mais fraquinhas ficam. Por isso, evito. Pintar as unhas? Até pinto, de vez em quando, mas ter de tirar e pintar, pintar e tirar, de 2 em 2 dias torna-se cansativo. E nem sempre existe tempo, ou a vontade não é muita, ou estou com tão pouca vontade que nenhuma cor me agrada.

São alguns dos meus "dramas", sem o ser, do que para mim é "pintar as unhas". Invejo, daquela inveja boa, aquelas mulheres que conseguem aguentar imenso tempo o verniz nas unhas, têm imenso tempo (e dinheiro está claro!) para irem aos salões ou não se importam de pintar as unhas de 2 em 2 dias.

E comigo não costumam resultar aqueles vernizes que, supostamente, duram mais tempo nas unhas. É que quando se ajuda em casa a mexer em detergentes e esfregões, não há unhas que se safem.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens