Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Sou tão estranha!

por *Márcia S.*, em 20.08.15

Sou tão estranha que até me irrito a mim mesma. Acabo por ser o oposto de quase todos os da minha idade. Pior que isso? Acho completamente normal e adoro a minha diferença (não sou mesmo normal ). Prefiro falar com pessoas que a maioria torce o nariz, acho normal (porque até que entendo) os comportamentos de algumas pessoas que a maioria acha surreais. Não gosto das coisas que o pessoal adora, não aprecio a maioria das coisas que as miúdas adoram e sinto-me estranha se tiver de falar delas. Há assuntos que não domino de todo porque não sou assim tão "culta" nesses temas, mas que arranjo maneira de os abordar e algumas pessoas ficam a pensar que eu sou alguma nerd que sei de tudo (enganam-se, eu acabo por divagar completamente, por vezes digo a mesma coisa de 1001 formas diferente e com palavras distintas e elas nem se apercebem ou fazem-se de burras). Gosto de coisas que a maioria diz que são chatas (por exemplo ler, a maioria acha uma coisa demasiado chata), dou preferência a estar em casa do que ir sair só porque sim. Gosto de sair quando me apetece, quando preciso e quando estou para aí virada. Dou preferência a ir ao cinema ou conversar com alguém do que ir fazer uma noitada (até porque detesto noitadas, julguem-me à vontade). Não aguento ver ninguém a sofrer por algo que alguém lhe fez, mesmo que se trate de um "inimigo" meu. Ninguém me entende quando o digo porque, supostamente, se é um inimigo até devia ficar contente por a pessoa ficar mal. No dia que ficar contente com a tristeza dos outros, mesmo que seja um inimigo, vou sentir remorsos até ao fim da vida. É claro que por vezes penso "anda lá que agora vez o que é bom para a tosse", mas o que é de mais enjoa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



14 comentários

Imagem de perfil

De Andy Bloig a 20.08.2015 às 22:10

Chamas a isso estranha?
Chamo-lhe ser uma pessoa normal.
Cada pessoa tem os seus gostos. Só deves fazer o que gostas e não fazer o que outros acham que é o que deves fazer.
Imagem de perfil

De *Márcia S.* a 20.08.2015 às 22:21

Obviamente que só farei o que quero. Nunca me deixei dominar por ninguém, não seria agora diferente.

Imagem de perfil

De Andy Bloig a 20.08.2015 às 22:26

Então o título é o que as outras pessoas pensam de ti?

Estranhos somos todos... cada um têm a sua maluqueira.
Os que se deixam seguir a linha que lhes oferecem, perdem-se quando o gps deixa de funcionar...
Por isso, onde é que achas que és estranha? Por outros te dizerem que devias ir a 2 discotecas por semana? Por outros te dizerem que devias ter 12 namorados diferentes a cada ano? Por outros te dizerem que ficas mais bonita se usares uma camisola amarela do que uma verde?

(e não existem inimigos... existem pessoas com opiniões diferentes.)
Imagem de perfil

De *Márcia S.* a 20.08.2015 às 22:32

Sim, pelo que dizem.
Não estou preocupada com isso, só que começa a irritar ouvir tantas vezes a mesma coisa. Até os meus pais já me disseram "não es normal" quando me tentaram puxar para uma discoteca e depois mudaram para um bar (quando recusei a primeira) e recusei... Acabaram por se habituar aos meus gostos "anormais" xD
Imagem de perfil

De Andy Bloig a 20.08.2015 às 22:47

Só tens de aprender a ouvir... e ignorar.
Deixa lá que isso é a parte mais simples da vida.
Os meus pais sempre me acharam um freak... andava na escola, não estudava (nunca chumbei). Os colegas que eram filhos de colegas da minha mãe, passavam dias inteiros a estudar... eu andava na rua a jogar à bola, a ensinar os míudos a aprender alguma coisa nova. Nunca fui para discotecas. Fui a bares mas, só bebia meio copo e acabou-se. Nunca tirei a carta (moro na cidade, quase no centro... transportes a 10 minutos que me permitem ir a todo o lado). Nunca tive discussões que acabassem em problemas mais graves. Sempre aprendi coisas que ninguém percebe de onde vieram. Sempre fui adaptável, quando estou num sítio estranho, rapidamente passo a fazer parte da paisagem e pouca gente se lembra que sou novo naquele local. E não confio em ninguém... mesmo que todos pensem que confio neles. (é-me mais fácil confiar a escrever na net, sobre qualquer coisa, do que a falar com pessoas que já conheço há muitos anos... detesto inquéritos.)
Como já te disse, à uns dias, sei guardar quase tudo para mim. Quanto menos os outros sabem, mais pensam que sabem.
Já me basta agora, quando vou a casa dos meus pais, ouvir a minha mãe a lamentar-se que uma antiga colega já tem 2 netos, que a outra tem um que vai entrar para a escola e ela não tem nenhum... nem ela imagina que nunca terá nenhum do meu lado (a minha irmã é com ela...).
Imagem de perfil

De *Márcia S.* a 20.08.2015 às 22:53

Tens de falar mais de ti, é que revejo-me em muita coisa. Sempre não estou "sozinha no mundo".
Não gostas de crianças? Desculpa lá, mas não percebi essa parte
Imagem de perfil

De Andy Bloig a 20.08.2015 às 23:01

Existem alturas em que temos de pensar no que é o futuro... eu tive uma vantagem.
Numa altura que conheci alguém, tinha de aceitar que iria dar cabo da vida aquela rapariga espectacular e que nunca lhe poderia fazer isso...Ela merecia ser feliz e eu nunca a faria. Só que não se faz num piscar de olhos. Desde os meus 13 anos que sei que nunca me irei casar nem ter filhos... por opção própria. Opções de vida.
Cuidar dos filhos dos outros, até gosto. Apesar que a maioria dos miúdos tem tanto medo de mim, que se portam sempre bem. (tirando a filha da vizinha de cima que já não se importa com as vezes que refilo com ela por ser desastrada e se portar mal... só tem 7 anos de idade e já tentou pedir asilo aqui em casa contra o pai refilar com ela, por ser parva.)
Imagem de perfil

De *Márcia S.* a 20.08.2015 às 23:09

Entendido.
A mim não me levam a sério. Os amigos da minha irmã quando estão cá por casa andam sempre a rondar-me. Alinho nas brincadeiras deles e lá ficam todos contentes. Já tive de dormir no sofá para ficarem no quarto com ela e no fim ainda me dizem "quando posso voltar?" como se a casa fosse minha. O que vale é gostar deles.
Imagem de perfil

De Andy Bloig a 20.08.2015 às 23:19

Os miúdos assustam-se com facilidade (também são cáusticos ...), por isso um gajo grande chega para eles se encolherem.
A filha da vizinha é que se habituou a mim e quando está em casa sem fazer nada, escapa-se e vem aqui bater à porta para pedir para lhe gravar um filme para ela ver... já foram umas quantas noites que a chavala cá apareceu na hora de dormir a pedir umas músicas, acabou a dormir na minha cama. Depois tenho pena de ir acordar os pais, levo-a para o outro quarto e ela passa cá a noite. Mando mensagem ao pai (sei que ele dorme com o telemóvel com vibração... por isso, lê a mensagem. Se ainda estiverem acordados, vêm cá buscá-la, senão fica cá e eles passam cá quando se levantam, antes de saírem para o trabalho e a levarem para a escola).
Mas, minha descendência é coisa que nunca irá acontecer.
Imagem de perfil

De *Márcia S.* a 20.08.2015 às 23:23

Ainda mudas de ideias.
Olha quem vai dormir sou eu, já passei pelo sono umas quantas vezes, daqui a pouco respondo a dormir (já me aconteceu xD mas não aqui).

Até amanhã
Imagem de perfil

De Andy Bloig a 20.08.2015 às 23:24

Até amanhã. Boa noite e bons sonhos.
Imagem de perfil

De *Márcia S.* a 20.08.2015 às 23:30

Obrigada e igualmente.
Imagem de perfil

De omeumaiorsonho a 22.08.2015 às 22:45

Não és estranha, apenas tens um grande coração!!
Imagem de perfil

De *Márcia S.* a 22.08.2015 às 23:13

Obrigada! :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens