Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fugir da palavra relação

por *Márcia S.*, em 14.02.18

Para quem me conhece praticamente a 100% sabe que após a minha primeira relação, ainda na adolescência, jurei a mim mesma não querer mais ninguém. E assim foi durante uns 6 anos aproximadamente. No entanto, ao fim desses anos o meu coração cedeu. E eu não me importei. Já tinha passado a fase da adolescência e achei que seria talvez uma oportunidade que me estavam a dar para ser feliz no que diz respeito ao amor. Como não podia deixar de ser arrependi-me de tal situação. De qualquer forma serviu para eu crescer um pouquinho mais enquanto pessoa. Porque no fundo o mais importante é retirarmos o lado bom de cada situação mesmo sendo mais dramática do que esperávamos. Houve quem me fizesse sorrir sem tão pouco eu pedir ajuda. E é aí que percebemos que temos pessoas maravilhosas do nosso lado!

Eu fugi anos de uma palavra que não queria que fizesse parte do meu vocabulário. Pela segunda vez ela entrou e saiu da minha vida num estalar de dedos. Mas, como disse, tenho pessoas maravilhosas na minha vida que se recusam a desistir de mim. Umas que estão aqui há anos e outras mais recentemente, mas todas elas tem um lugar bastante especial no meu coração. E é aqui que eu percebo finalmente que não quero esta palavra fora da minha vida. Porque não, porque há sempre alguém algures no mundo que nos faz querer mais. Muito mais! Há alguém, algures no mundo, que me faz querer lutar por algo a que chamamos relação. E, desta vez, eu não vou fugir da palavra relação!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quando a memória resolve falhar

por *Márcia S.*, em 10.02.18

Não é a primeira vez que me dou conta de que a minha memória me vai traindo em coisas do passado. Não é que seja mau, pelo contrário, percebo por mim mesma que esqueci de situações completamente irrelevantes para a minha vida neste momento. Até mesmo para o futuro, não preciso delas. Porém, torna-se frustrante saber que vivi "aquilo" mas não me virem essas imagens ao pensamento. Fico bastante surpreendida com tal situação, pois costumo ter boa memória de quase tudo que se passa pela minha vida, e uma boa memória fotográfica das coisas mais importantes (e outras nem tanto). 

Existem situações de infância que me ocorrem flashes, imagens, o que lhes quiserem chamar, no pensamento.Estas são situações que normalmente acontecem, felizmente, sem eu ter de "puxar muito pela cabeça". 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jogar pelo seguro

por *Márcia S.*, em 05.02.18

Sempre tive imensas manias na minha vida, uma delas era jogar sempre pelo seguro. O que muitas vezes me fez não arriscar, quase sempre por não me sentir confortável com tal situação. O medo de arriscar, o desconforto, a forma como via o mundo e, quem sabe, a solidão me fizeram sempre jogar pelo seguro. Preferi resguardar-me de muita coisa durante a adolescência, privando-me de tantas outras, para não arriscar demasiado. Ao longo do tempo foi tudo se tornando habitual e eu, como assim decidi, resguardei-me de mil e uma coisas que quase enlouqueci. Porém, hoje agradeço a mim mesma por me ter poupado a certas figuras tristes que vi muitos a passarem. 

Mas, hoje, sou capaz de jogar do lado seguro e preferir o oposto. Não é que vá fazer o que não fiz na adolescência, mas arrisco muito mais (sem receios, sem medos, sem pensar vinte vezes primeiro) do que me prendo para não arriscar quando o meu coração me manda avançar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A certa altura a magia acontece...

por *Márcia S.*, em 03.02.18

...ou melhor dizendo, o nosso interior começa a exteriorizar tudo o que sente. Se há coisa que eu me arrependo do meu passado, a única coisa mesmo, é de não ter aberto os olhos para as coisas boas do mundo a tempo de agir nos tempos certos. Mas, como não podemos andar para trás no tempo e emendar os nossos erros, vemos a tal "magia" acontecer de uma forma ou de outra. Aprendi, como por magia, a identificar só com o olhar as pessoas que realmente não eram boas para comigo e as que valiam a pena. Aprendi, mesmo que a ter de bater várias vezes com a cabeça, que nem sempre o que fazemos corresponde ao que sentimos e isso fez-me tanta mas tanta confusão!! Não me cabia na cabeça imaginar que eu sentia algo mas fazia ou proporcionava uma situação completamente distinta do que seria suposto. A certa altura a magia acontece... sonhei com esta frase há coisa de uns dias atrás e a realidade é que fiquei com ela na mente. 

A certa altura a magia acontece, nós acabamos por nos tornar mais maduros (ou assim deveria ser), percebemos que nem tudo no mundo é como imaginamos e que temos de agir, agir para marcar a diferença, para marcar a nossa presença. De que vale a pena afinal viver se não deixarmos a nossa marca enquanto por aqui andamos? A certa altura a magia aconteceu quando na minha mente uma das perguntas não desaparecia, provavelmente por lá no fundo eu saber que não a tinha respondido de forma coerente como ela merecia, "afinal, vais continuar a não mostrar quem és a vida toda?". 

A certa altura a magia acontece, e aconteceu! Quem me conheceu no passado não me reconhece mais hoje. Quem me conhece hoje não consegue imaginar como fui e senti no passado. Afinal, eu ainda consigo deixar de lado a timidez, afinal eu ainda consigo deixar de lado todo o nervosismo. Afinal, eu ainda consigo exprimir o que penso e sinto sem gaguejar. Tudo acaba por ter algumas consequências. Esta minha mudança quase momentânea, trouxe comigo algo que eu nunca tive antes que é o facto de conseguir quase falar sem pensar. Até hoje não me arrependi disso mas é certo que tem de ser controlado, não deixar que isso me domine os pensamentos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A insegurança que tive

por *Márcia S.*, em 24.01.18

Já confessei diversas vezes que fui durante muitos anos uma miúda insegura. Não nego que, em parte, essa insegurança ainda vai estando presente (se bem que muito pouca). De qualquer forma, aos poucos esse assunto deixou de ser Tabu. Deixou de dar arrepios quando falo de inseguranças minhas. Muitas delas ficaram no passado, ao longo do tempo fui aprendendo certas coisas que me fizeram ir perdendo essas mesmas inseguranças. Aprendi que antes de gostar de alguém tenho de gostar de mim, ponto este que já faz parte do meu dia-a-dia há algum tempo. Aprendi a confiar mais em mim, no que penso, no que sinto, na pessoa que sou. Parecendo que não, confiar mais em mim acaba por me tornar aos bocadinhos menos insegura. Por último, aprendi a não demonstrar essa insegurança. De certa forma, não dar a conhecer a quem não for da minha confiança que sou uma pessoa que tem inseguranças nisto ou naquilo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens