Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Boa pessoa de mais ou simplesmente masoquista?

por *Márcia S.*, em 30.08.15

Há dias que penso que a minha boa vontade em ajudar terceiros me vai sair muito caro. Tem outros que penso ser mesmo masoquista! Qual é a minha de querer ajudar quem me faz mal? Não consigo simplesmente ignorar alguém que me pede ajuda, mesmo que me tenha feito algo de grave. Por mais que a minha mente pense "deixa de ser estúpida, não faças pelos outros o que nunca fizeram por ti", não consigo! Por mais que saiba que a pessoa não merece a minha ajuda, eu não consigo MESMO ignorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Faz tanto sentido

por *Márcia S.*, em 30.08.15

Porque há momentos em que uma música faz todo o sentido do mundo!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Deixei-o ir

por *Márcia S.*, em 30.08.15

Há alturas que percebemos que nada é realmente nosso. Muito menos as pessoas. Sempre entreguei demasiado de mim a pessoas que naquela altura me parecia ser aquela pessoa. Mas, com o tempo, percebi que não posso afirmar que a pessoa seja "minha", porque na realidade não é. Nem tudo o que é bom acaba de pressa, nem toda a gente foge. Uns adaptam-se melhor, outros fartam-se, mudam de ideias, encontram alguém melhor ou simplesmente não faz mais sentido continuar aquela história. É aí que a verdadeira história começa. Sim, porque o "fim" não é mais do que um novo começo. Um novo começo que depende de nós, e só mesmo de nós, porque ninguém é obrigado a deixar alguém se infiltrar.

Por momentos dá vontade de gritar, lutar mais. Mas há alturas em que uma pessoa sabe quando não vale a pena lutar. Porque a pessoa não está nem aí, porque aceitamos que a pessoa se vá embora, porque para nós também já não fazia sentido continuar a tentar fazer história do que nunca fez parte dela.

Por vezes o momento certo demora a chegar, o tempo vai passando e começamos a perder demasiado tempo com alguém que só se quer aproveitar do que podemos dar em troca. Quando a oportunidade surge, o melhor é deixar partir, sem reclamar, sem fitas e até palavras. O silêncio é tão nosso amigo e nem sempre o usamos.

Deixei-o partir, não por eu querer, mas porque o destino assim o queria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quando a esperança não morre

por *Márcia S.*, em 30.08.15

Nunca fui o tipo de pessoa de dizer "ainda tenho esperança que isto aconteça". Por vezes a vontade de fazer acontecer é grande mas nem sempre existem forças para concretizar sonhos, vontades, desejos. Quando me mentalizo que aquilo é impossível, a vida trata de me mostrar que os impossíveis não existem. Somos nós que colocamos barreiras ao que temos medo que aconteça, provavelmente por não saber reagir nessas situações. Mas, se as barreiras não existissem, se o medo não existisse, tudo era mais simples. Eu prefiro o complicado, mas não me deixo dominar pelo medo, pelo menos vale a tentativa.

A minha história ensinou-me a ter esperança no que pode ainda acontecer. Mas não posso viver da esperança, deixando que tudo o resto me passe ao lado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não sei onde errei

por *Márcia S.*, em 30.08.15

Houveram dias, num passado mais distante, que pensei "Mas onde foi que errei para merecer isto?". Muitas vezes não erramos em nada, simplesmente são coisas da vida para nos provar que ainda faz sentido a nossa passagem por este mundo. Não sei bem mas, a sensação de nunca ter errado deve estar lado a lado com a de um vazio.

Já errei tanto, tenho ainda tanto para errar, mas a vida é feita de escolhas. Nunca escolhi errar, talvez tenha escolhido caminhos mais complexos de crescer ou foi mesmo alguém que me apanhou na curva sem eu dar por isso.

Perder as pessoas de quem gostamos é doloroso, mas perdermos o nosso rumo é igualmente doloroso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Reencontros com o passado

por *Márcia S.*, em 30.08.15

Andava eu entretida a arrumar o quarto quando, não sei bem de onde, desencantei um presente. Um presente daqueles dos dias dos namorados. Não fazia ideia que ainda tinha aquilo, mudei de casa depois disso e pensei que tivesse ficado pelo caminho. Existem pessoas cá por casa tão inteligentes que então se lembram de me mandar umas bocas foleiras sobre o assunto.

Alguma forma de os calar a todos? Só mesmo dizendo que a conversa já azedou e esperar que não toquem mais no assunto.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens