Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Porque gosto de

por *Márcia S.*, em 28.08.15

Ser estranha mas procurar a felicidade

Comer doces sem culpa (mesmo "fora de horas")

Dançar quando ninguém vê

Rir-me de mim mesma

Ser doida mas ser feliz!

Autoria e outros dados (tags, etc)

A força que podemos ter

por *Márcia S.*, em 28.08.15

Muita coisa que já aqui partilhei aconteceu no passado. Num passado que terminou não muito longe do presente. Mas não tão recente quanto isso. O último ano e meio (quase quase ano e meio, falta só mesmo um bocadinho) fez-me crescer tanto emocionalmente e todos os outros níveis, mas principalmente emocionalmente. Algumas pessoas que foram apanhando algumas dicas minhas queriam o link deste meu cantinho. Custou-me tanto dizer "não", com a promessa que em breve poderei partilhar aqui o espaço com pessoas que me entendem aqui deste lado. O que fui partilhando aqui no último, quase, ano e meio representa talvez 30% dos meus poucos anos.

Aos poucos vou levantando a cortina de algumas coisas do meu passado, do meu presente também mas um tanto escondido. E hoje talvez tenha chegado o momento de revelar um pouquinho mais, ou talvez não. Ao longo dos anos fui percebendo que tinha alguma força para me "aguentar" que não sabia ter. Nunca imaginei ter a força de aguentar a maldade das pessoas mas principalmente de meter na cabeça que estava na altura de fazer ver que também sou capaz de me levantar e seguir em frente. Quando as coisas aconteceram eu só pensava "quando isto vai acabar?", quando colocava os pés na rua o meu pensamento era "mais um dia para aguentares e não te passes, muito menos chores". Acho que chorar foi das primeiras coisas que aprendi a controlar. Porque, mesmo que as pessoas vissem que eu estava fraca não me iriam ver chorar. Hoje não choro em público, nunca! E caso isso aconteça não é por estar fraca, mas porque o meu limite está a esgotar e para não ser agressiva preferi deixar-me chorar.

Estive perto do abismo, literalmente. Estive perto de saltar e esquecer que "a vida pode ser bonita se a soubermos viver". Acho que nunca acreditei muito que algum dia pudesse desejar tanto a minha vida que ela se tornasse a minha prioridade para combater tudo e todos. O sofrimento foi tal que a ideia de acabar com tudo pareceu-me apetitosa na altura. Poucas pessoas souberam do sucedido e só o souberam recentemente, quando me senti preparada para falar do assunto e responder a perguntas difíceis. 

Foi a partir desse dia que percebi que tinha mais força do que pensava ter. A força necessária para levar a minha vida para a frente e ama-la a ela antes de amar outra pessoa qualquer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Aqueles dias muito chatos

por *Márcia S.*, em 28.08.15

Hoje é um daqueles dias mesmo chatos! Aliás, esta semana foi muito chata, custou a passar. Hoje estou naqueles dias que só me apetece dormir o dia todo e acordar no próximo fim-de-semana! Mas a pirralha (diga-se minha irmã) quer brincadeira, por isso vou activar o modo "criança" (se ela lê isto ainda me bate).

 

Para que se saiba, adormeci perto das 2h, eram 3h e acordei (tenho um sono mesmo MUITO leve e acordo com a mínima coisa). Um sacrifício para adormecer. Perto das 5 lá volto a acordar, a pirralha acordou-me e lá me levantei para fazer o que me pediu (de se fazer notar que devia ter-me levantado meia a dormir, sorte a minha conseguir percorrer a casa de olhos fechados sem bater em lado algum). Já só adormeci perto das 6 e por volta das 7 já estava a pé, a minha mãe lá se lembrou que já tinha dormido muito para uma noite e o sono fugiu. Só de pensar que para a semana tenho de me levantar às 7 todos os dias, chegar a casa entre as 18 (se tiver sorte um bocadito antes) e as 19 até me dá vontade de cortar os pulsos.

A minha vida anda uma animação!

Autoria e outros dados (tags, etc)

O exercício faz-me feliz

por *Márcia S.*, em 28.08.15

Há quem não perceba quando digo "preciso de chegar a casa e ir fazer exercício". Algumas pessoas perguntam porque não deixo um dia por outro sem fazer. Ora bolas, quando não fazia ouvia comentários porque não fazia, agora que adoro dizem para "ter calma"?
O exercício passou de um meio de perder peso para uma necessidade de me libertar do que me fazia mal. O stress do dia-a-dia, a amargura que ainda havia do passado, a raiva que tinha a algumas pessoas e até de mim mesma. Ajudou a deixar de ser tão "revoltada" com mundo. O mais importante é que me tornou feliz.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens